Pesquisar blog
Newsletter
Subscreve para receberes nossas ofertas, descontos, notícias e muito mais
Últimos comentários

“Como assim, o amor não existe?”

Postado em10 Meses atrás por
Favorito1

Houve uma vez um professor meu de Psicologia, o Professor Doutor Daniel Rijo, que disse em plena aula que o amor não existia. A polémica foi imediata e ouviram-se várias vozes: “Como assim, o amor não existe?”, “Eu amo a minha namorada”, “Eu amo o meu filho”, “Claro que existe”, … Com todas estas afirmações ele pediu que definíssemos o amor. A verdade é que cada pessoa que se atrevia a definir o amor, definia-o de uma maneira muito própria; ora dando-lhe uma versão mais romantizada e de enamoramento, ora dando-lhe uma versão mais fraternal e familiar. A quem descrevia o amor na versão romantizada, o professor perguntava “Então mas tu não amas o teu pai e a tua mãe?” e a pessoa percebia que a definição que tinha apresentado do amor nada tinha a ver com o amor que sentia pela sua família, ou até pelos seus amigos e amigas; no entanto dizia que também amava todas aquelas pessoas.

 

A definição de amor

Então o que é o amor? Experimenta pesquisar na internet por uma definição de amor e vais ver como te vão aparecer definições diferentes; e mesmo que identifiques lá algo, elas vão “saber a pouco”; vão parecer nada, quando relacionadas com o que tu sentes pelas pessoas que amas. Não é que não seja aquilo, mas é muito mais do que aquilo.

Tu consegues defini-lo bem, incluindo todas as pessoas que amas nessa definição? É difícil, não é?!

 

O amor é muita coisa

Os sentimentos traduzem-se por palavras mas muito mais por gestos, comportamentos, ações…. Presentes ou ausentes. O peso que o amor tem na nossa vida é imenso. O amor tem o poder de ser a lanterna em caminhos escuros, ao amor atribui-se milagres. O amor é alegria. O amor é felicidade! Não penses que isto é uma definição; é apenas uma descrição do que sinto, vejo e ouço por aí, nas pessoas que dizem que amam e que são amadas.

 

O amor saudável vrs. o amor patológico

A tua felicidade depende do amor mas, antes de amares quem quer que seja, tens de te amar a ti. Não podes amar uma pessoa sem te amares primeiro. Não pode o amor que sentes por uma pessoa ser a tua única razão de viver. O amor que nos traz felicidade é 100% saudável e sobredotado; vê bem (não é cego), ouve bem, é inteligente nas escolhas que faz e tem instinto de sobrevivência. Quando tudo isto falha está doente, é um amor que nos faz mal… que é patológico.  Não te esqueças, para o manteres saudável ama-te a ti. Se a outra pessoa, que é o teu foco de amor, se amar e te amar, vai incentivar-te a isso.

 

Certezas acerca do amor, que não são definições

Uma certeza eu tenho, ninguém pode ser feliz sem amor.

Outra certeza… Não é porque não se consegue encontrar uma definição que satisfaça a todas as pessoas, que podemos dizer que ele não existe.

A última certeza é que tu sabes que ele existe. Mesmo que não o consigas transformar em palavras, consegues senti-lo; e isso é o mais importante porque ele não existe para ser definido, mas sim para ser sentido.

Ama-te, ama e sê feliz!

"Ao contrário do ouro e do barro, o verdadeiro amor, dividido, não diminui."

Percy Bysshe Shelley

 

Deixe um comentário
Deixar uma resposta

Menu

Configurações

Clique para ver mais produtos.
Não foram encontrados produtos.

Partilhar

Crie uma conta gratuita para salvar itens favoritos.

Iniciar sessão